domingo, 23 de janeiro de 2011

E AGORA?

De que serve estar contra o fascismo – que se condena – se nada se diz contra o capitalismo que o origina?” (Bertolt Brecht)

percorra-se um território,
timidamente habitado
costumes brandos
santas alianças
rituais e obscuras
situacionistas
gerações de arrivistas
atoladas até à medula
na sordidez congénita
pregadores de intolerância
produtores de simulacros
de liberdade
ostracizadores da cultura
anestesistas de consciências
generalizadores do medo

décadas depois,
exalta-se a liberdade
cravos, paz e justiça
social
utopias e sonhos
promove-se o arrivismo
mediático
a ânsia de poder,
o tráfico indecoroso
a especulação
a mentira e a traição
o desemprego, a penúria
a precaridade colectiva
decapita-se a esperança
regressa-se ao passado
disfarçado de presente
IMAGEM DAQUI

1 comentário:

Aníbal Pires disse...

Caro Amigo,

Surripiei o texto e publiquei no "momentos".

Um abraço e não deixes morrer a esperança,