quarta-feira, 19 de agosto de 2009

NUMA TARDE DE AGOSTO


Procurei ao acaso
percorri-te as origens
cruzámos o passado
viajámos numa noite
escura
habitada nos teus olhos
embriagados de ternura
vestida de desejos
gritavas silêncios
e gemidos em mágoas
cicatrizadas no abandono
de palavras ácidas
escavadas na angústia
trepei nos teus sonhos
ainda nublados
numa tarde de Agosto
tatuada de sorrisos
despi-te a tristeza
perfumei-te de afectos

1 comentário:

amor disse...

Simplesmente inspirador para o futuro...